MetrôRio. A qualidade de vida não anda aqui.

29 04 2010

A situação de transporte no RJ anda insuportável. Não dá pra andar de ônibus, nem de carro, nem de trem, nem de metrô. Logo veremos aqui o mesmo que existe em SP: engarrafamento de moto.

Eu dependo de transporte público e com isso acabo fazendo malabarismos para TENTAR conseguir chegar aos locais que preciso num horário razoável (pontualidade, umas de minhas maiores características, sempre vão pro beleléu).

Atualmente eu recorro ao Metrô quando preciso escapar de alguns engarrafamentos. Mas aí entro em outro engarrafamento: o de pessoas no mesmo vagão.

Tenho “sorte” em ser razoavelmente pequena e me meto em espaços que poucos caberiam. Eu entro no bolo, sou empurrada, me aperto, mas entro no metrô. Para tentar amenizar meu sofrimento, resolvi entrar no “vagão das mulheres”. É tão cheio quanto, mas é menos incômodo porque as mulheres não empurram tanto pra entrar quanto os homens.

Aí vem minha surpresa: A lei só vale até a Estação Central! Da Central até a Saens Peña ou da Central até a Pavuna a lei é IGNORADA!

Quero fazer uma ressalva que nunca fui totalmente favorável a essa lei. Acho inconstitucional discriminar sexos. Para ser justo, deveria então criar um “vagão masculino”. No entanto, até para pesquisar fundamentos para esse post achei diversas reclamações de mulheres por causa de abusos sexuais sofridos nos transportes públicos. Inclusive, já tentaram passar a mão em mim no metrô, mas resolvi a situação sem alarde e duvido muito que o cara tente abusar de mais alguma mulher.

A questão é existe a lei; deve então ser plenamente cumprida. Por quê o Metrô não coloca “agentes” em todas as estações para evitar o descumprimento da lei? Só as usuários moradoras da Zona Sul têm o direito de ver seu DIREITO ser cumprido? Por que mais essa discriminação?

Ontem mesmo discuti com um advogado (como ele mesmo se identificou) que entrou nesse vagão. Ele alegava que poderia entrar sim no vagão porque era direito dele e que a lei é inconstitucional. Argumentei que ele, como advogado, trabalha para o cumprimento das leis. Então porque ele não cumpre essa lei e entra judicialmente com uma reclamação sobre a inconsticionalidade da lei do vagão feminino? “Dá muito trabalho”. Disse a ele que eu nunca contrataria um advogado que se orgulha no descumprimento da lei e se justifica no “muito trabalho” que ele deveria fazer.

Algumas mulheres já me disseram que a solução deveria ser um vagão masculino. Eu duvido que um monte de homem iria se apertar no esfrego um com outro. Seria o vagão mais vazio do metrô! É impressionante como eles arrumam espaço para não escostar em outro homem; mas encostam facilmente em qualquer mulher.

A solução? Melhorar o transporte! Quando o tranporte for algo digno de se andar, com espaço adequado, não precisará criar nenhum tipo de vagão especial. Se não houver aperto não há “mão-boba” e “outras-coisas-bobas”. Caso alguém tente se assediar outro, com espaço qualquer pessoa poderá perceber e ajudar o assediado. Como parece que ninguém quer essa solução o jeito é criar vagões exclusivos.

Quantos homens você consegue achar nessa imagem?

Vagão feminino teoricamente vazio após a estação Central do Brasil, indo para a Saens Peña.

Eu ainda acho que o melhor caminho para resolver a situação é fazer doer no bolso. Foi bolinada no metrô? Processe o MetrôRio! Processe o Estado!

A roda de liga-leve do seu carro empenou depois de você passar num buraco? Processe o responsável pela rua onde tem o buraco!

A justiça demora, mas costuma ser favorável ao cidadão.

Quando o custo com indenizações for algo considerável, eles vão melhorar! Ninguém quer perder dinheiro, né?

E sempre se lembre: esse ano tem eleição! O melhor que você pode fazer para mostrar se está satisfeito ou não com aqueles que administram a cidade, o país que você mora é votar com consciência.

Está bom do jeito que está? Está ruim? Pode melhorar? Pense nisso!

**

Links relacionados:

http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI3713213-EI5030,00-Mulheres+relatam+abuso+sexual+em+vagoes+de+trem+no+Rio.html

http://www.alerj.rj.gov.br/common/noticia_corpo2.asp?num=17494

http://www.alerj.rj.gov.br/common/noticia_corpo2.asp?num=17459

http://www.geledes.org.br/noticias/projeto-de-lei-federal-preve-vagoes-especialmente-para-mulheres-no-metro.html





RIO2016

2 10 2009

Tá maior bafafá aqui no Rio sobre a escolha das Olimpíadas.

Sinceramente eu ainda não sei se sou a favor ou contra.  Gosto dos eventos, participo (curti muito o PAN). Acho que pode sim trazer melhorias pra cidade. O negócio é o povo acordar e cobrar as melhorias que não podem ser só arquitetônicas. Tem que ser melhoria social, de infraestrutura, de segurança. Melhoria com embasamento.

Eu sou arquiteta. Em 2016 estarei formada (espero, né? kkkkk) e torço para poder contribuir para um Rio melhor.

Tamos aí!





Polícia para quem precisa

28 09 2009

Eu não suporto violência. Odeio viver com medo. E pra “ajudar” eu moro em um dos bairros mais perigosos do RJ. Pertinho de onde na quinta (24/09) balearam uma manicure e na sexta (25/09) um assaltante fez uma mulher refém com uma granada.
Mas bato palma de pé para a equipe que conduziu a operação do assaltante com a granada. O assaltante foi morto com um tiro na cabeça.
Tinha que ser sempre assim. Ameaçou inocente? Pow! Aposto que diminuiria consideravelmente a quantidade de bandidos. Eles começariam a pensar 2x.

Então, eu, cheia de confiança na polícia, saí um pouco mais tranquila no sábado.
Aí, meia-noite de sábado pra domingo, eu saio do Shopping Nova América pra ir pro meu lar-doce-lar, acompanhando uns amigos que iam pra Niterói, resolvemos ir pela Av. Brasil. Logo que pegamos a Linha Amarela, entramos num engarrafamento fenomenal. Que bons minutos depois descobrimos ser uma blitz. Uma blitz estranha. Logo depois da saída para Bonsucesso (quem queria fugir da blitz, era só sair antes!). E os policiais não estavam parando ninguém. Só causando engarrafamento. Ah, mentira, tinham 2 motoqueiros da Parmê sendo abordados pelos policiais.

Fiquei meio revoltada, sabe? Minha confiança conquistada pelo evento de sexta, foi-se com essa blitz. Uma blitz que não servia pra nada e ainda nos colocando a mercê de bandidos que poderiam assaltar quem estava parado no engarrafamento.

Mas ainda desejo confiar na polícia. Melhor do que não confiar.





CHEGA!

8 07 2008

Eu já fui assaltada. Já tive arma apontada pra mim só para levarem meu carro. Já consegui fugi de tentativa de assalto, quando fecharam meu carro. Já me escondi dentro de um banheiro de um bar com mais 3 pessoas para não ficar na linha de tiro.
Todo dia de manhã quando o Edson sai pra trabalhar, eu rezo para que Deus o proteja e o traga bem para casa.
Que vida é essa???

Quando estava grávida, vi a morte do João Hélio. Chorei de medo. Em que mundo eu estaria colocando minha filha?
Ontem, quando eu soube da morte do menino João Renato, senti uma sensação de revolta.
Eu moro a um pouco mais de 500m do lugar onde a família foi atacada. Para mim não foi uma “situação desastrosa“, foi um ataque! Ninguém atira em outro mais de 15 vezes por engano!
Sempre que levo Juju a pracinha, eu passo por aquela rua. O caminho que a mãe fez, eu faço quando quero ir na Barra. Podia ter sido eu.

Ninguém pode dizer que “não sabia do despreparo da polícia”. Isso todo mundo já sabe. Nossos governantes já sabem. O que eles estão esperando? Que mais gente morra?

Em um desses dias que eu voltava da pracinha com Juju, logo após atravessar a rua, escutei um barulho de que algo tinha caído. Parei para olhar e era a arma de um policial que tinha caído da patrulha que ele estava! Deu pra sentir a noção do perigo? A patrulha fez a curva em alta velocidade, o policial que estava com a arma pra fora deixou ela cair. Já pensou se cai e dispara? Eu poderia ter sido atingida. Juju poderia ter sido atingida.

Eu não sou daquelas pessoas que acha que “essas coisas não acontecem comigo”. Acontecem sim. E eu confesso que a cada dia fico com mais e mais medo. Medo do mundo que minha filha vive.

Pra mim CHEGA! Chega de impunidade!
Quero o movimento que a novela Duas Caras divulgou.
Chega!!!!!!!

Eu só quero viver em PAZ.