Mais um stress com a Privalia

18 01 2012

Depois de todo o stress com a Privalia, como eu já postei aqui, aqui, e aqui, dei um bom tempo do site.

Até que um belo dia, recebi uma promoção ótima, com roupinhas do jeito que eu queria. Comprei.

A primeira data de entrega seria no final de novembro. Depois misteriosamente passou entre o dia 05 e 08 de dezembro.

Chegou a tão esperada data e nada de chegar.

Hoje, 18/01/2012, mais de 2 meses depois da data do pedido, mas de 40 dias depois da data prometida, o pedido chegou.

E adivinhem? TUDO ERRADO.

Eram 7 itens. 3 não vieram (justo os que eu mais queria!) 2 vieram certos e 2 errados.

Pedido que eu fiz.

Pedido que chegou

As duas peças do lado direito, eu não pedi, as outras duas estão certas.

E agora, Privalia?
Basta eu devolver tudo para vocês acharam que tá tudo resolvido?

Vou entrar na justiça pedindo danos morais. Tinham itens que eram presente de Natal…

Privalia? NUNCA MAIS!!!





Retrospectiva 27 anos

5 10 2010

Falta um pouquinho mais de 2 semanas para meu aniversário e eu achei que deveria fazer uma retrospectiva dos meus 27 anos.

Aconteceu taaaanta coisa depois do 21 de outubro de 2009. Parece que se passaram 3 anos depois de meu último aniversário.

* Cantei, em inglês, para uma plateia de desconhecidos.

* Fui em evento vip sem conhecer ninguém.

* Chorei sozinha no aeroporto vendo minha pimpolha viajar de avião pela primeira vez.

* Acordei de madrugada com uma dor insuportável na coluna, mas não deixei de ir almoçar com meu melhor amigo que só consigo ver uma vez por ano.

* Pedi pro meu pai cuidar de mim.

* Fiquei horas pulando de hospital em hospital até conseguir descobrir o motivo da dor que eu sentia.

* Passei o reveillon sem marido e sem filha, no meio de uma festa chique, mas com tanta dor e mal estar que nem curti.

* Chorei de emoção ao encontrar a filha no aeroporto.

* Achei que tinha morrido ao dar um espirro.

* Fiz tomografia e andei de ambulância pela 1ª vez.

* Fui internada e fiquei alguns dias no CTI.

* Depois fiquei 15 dias internada só podendo assistir canais abertos.

* Não fui a Igreja de São Sebastião no dia dele.

* Fiquei 7 meses sem comer folhas verdes.

* Ganhei fantasia pra desfilar no Carnaval.

* E desfilei como apoio em 2 escolas de samba.

* Superei o medo de escadas de madeira.

* Conheci coisas novas. E me apaixonei por coisa que já conhecia depois que conheci melhor.

* E conheci muitas pessoas. E também me apaixonei por elas.

* Fui no Theatro Municipal ver um balé. E não gostei do balé. Já o Theatro, está cada dia mais lindo.

* Comprei minha primeira calça tamanho 38.

* Subi uma escadaria gigante só pra pegar um pãozinho.

* Fiz coisas que eu realmente acreditava que nunca faria.

* Perdi preconceitos.

* Tive que me despedir do Trakinas de Morango, que mudou a fórmula e ficou horrível.

* Mudei de corte de cabelo umas 4x (acho).

* Fui tanto em médicos que cheguei a pensar que estivesse ficando hipocondríaca.

* Decidi meu projeto final da faculdade.

* Gastei muito dinheiro. Principalmente pra fazer festa de aniversário pra filhota.

* Fiz peeling. Depilação. Drenagem. Massagem. E sempre faço merdinha quando pinto as unhas de preto.

* Mudei a compulsão de bolsas para sapatos. E roupas. E maquiagem. E perfumes doces.

* Gostei de pessoas, desgostei delas e depois gostei de novo. Sem elas saberem disso.

* Fiquei mais viciada em twitter.

* Descobri que não sei como vivo sem um iPhone.

* E que se eu souber fazer as coisas certo, posso fazer a diferença.

* Mudei de emprego para ganhar (ainda) menos, mas ganhei um pouco mais de conforto.

* Voltei pra academia e arrumei um professor que tá mais engajado que eu no meu “projeto gostosona”.

* Amo ainda mais minhas amigas.

* Fiquei mais neurótica com pontualidade.

* Chorei. (inclusive escrevendo esse post)

* Me estressei.

* E me diverti muito.

Pode ser um clichê, mas nada resume melhor meus 27 anos: “Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi.

E ainda tenho 15 dias. Pela minha agendinha do celular conseguirei fazer muita coisa antes de chegar no dia 21 de outubro. #beijomeliga





MetrôRio. A qualidade de vida não anda aqui.

29 04 2010

A situação de transporte no RJ anda insuportável. Não dá pra andar de ônibus, nem de carro, nem de trem, nem de metrô. Logo veremos aqui o mesmo que existe em SP: engarrafamento de moto.

Eu dependo de transporte público e com isso acabo fazendo malabarismos para TENTAR conseguir chegar aos locais que preciso num horário razoável (pontualidade, umas de minhas maiores características, sempre vão pro beleléu).

Atualmente eu recorro ao Metrô quando preciso escapar de alguns engarrafamentos. Mas aí entro em outro engarrafamento: o de pessoas no mesmo vagão.

Tenho “sorte” em ser razoavelmente pequena e me meto em espaços que poucos caberiam. Eu entro no bolo, sou empurrada, me aperto, mas entro no metrô. Para tentar amenizar meu sofrimento, resolvi entrar no “vagão das mulheres”. É tão cheio quanto, mas é menos incômodo porque as mulheres não empurram tanto pra entrar quanto os homens.

Aí vem minha surpresa: A lei só vale até a Estação Central! Da Central até a Saens Peña ou da Central até a Pavuna a lei é IGNORADA!

Quero fazer uma ressalva que nunca fui totalmente favorável a essa lei. Acho inconstitucional discriminar sexos. Para ser justo, deveria então criar um “vagão masculino”. No entanto, até para pesquisar fundamentos para esse post achei diversas reclamações de mulheres por causa de abusos sexuais sofridos nos transportes públicos. Inclusive, já tentaram passar a mão em mim no metrô, mas resolvi a situação sem alarde e duvido muito que o cara tente abusar de mais alguma mulher.

A questão é existe a lei; deve então ser plenamente cumprida. Por quê o Metrô não coloca “agentes” em todas as estações para evitar o descumprimento da lei? Só as usuários moradoras da Zona Sul têm o direito de ver seu DIREITO ser cumprido? Por que mais essa discriminação?

Ontem mesmo discuti com um advogado (como ele mesmo se identificou) que entrou nesse vagão. Ele alegava que poderia entrar sim no vagão porque era direito dele e que a lei é inconstitucional. Argumentei que ele, como advogado, trabalha para o cumprimento das leis. Então porque ele não cumpre essa lei e entra judicialmente com uma reclamação sobre a inconsticionalidade da lei do vagão feminino? “Dá muito trabalho”. Disse a ele que eu nunca contrataria um advogado que se orgulha no descumprimento da lei e se justifica no “muito trabalho” que ele deveria fazer.

Algumas mulheres já me disseram que a solução deveria ser um vagão masculino. Eu duvido que um monte de homem iria se apertar no esfrego um com outro. Seria o vagão mais vazio do metrô! É impressionante como eles arrumam espaço para não escostar em outro homem; mas encostam facilmente em qualquer mulher.

A solução? Melhorar o transporte! Quando o tranporte for algo digno de se andar, com espaço adequado, não precisará criar nenhum tipo de vagão especial. Se não houver aperto não há “mão-boba” e “outras-coisas-bobas”. Caso alguém tente se assediar outro, com espaço qualquer pessoa poderá perceber e ajudar o assediado. Como parece que ninguém quer essa solução o jeito é criar vagões exclusivos.

Quantos homens você consegue achar nessa imagem?

Vagão feminino teoricamente vazio após a estação Central do Brasil, indo para a Saens Peña.

Eu ainda acho que o melhor caminho para resolver a situação é fazer doer no bolso. Foi bolinada no metrô? Processe o MetrôRio! Processe o Estado!

A roda de liga-leve do seu carro empenou depois de você passar num buraco? Processe o responsável pela rua onde tem o buraco!

A justiça demora, mas costuma ser favorável ao cidadão.

Quando o custo com indenizações for algo considerável, eles vão melhorar! Ninguém quer perder dinheiro, né?

E sempre se lembre: esse ano tem eleição! O melhor que você pode fazer para mostrar se está satisfeito ou não com aqueles que administram a cidade, o país que você mora é votar com consciência.

Está bom do jeito que está? Está ruim? Pode melhorar? Pense nisso!

**

Links relacionados:

http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI3713213-EI5030,00-Mulheres+relatam+abuso+sexual+em+vagoes+de+trem+no+Rio.html

http://www.alerj.rj.gov.br/common/noticia_corpo2.asp?num=17494

http://www.alerj.rj.gov.br/common/noticia_corpo2.asp?num=17459

http://www.geledes.org.br/noticias/projeto-de-lei-federal-preve-vagoes-especialmente-para-mulheres-no-metro.html





Estudantes (é, de novo)

11 03 2010

Há praticamente 1 ano, escrevi um post reclamando dos estudantes em ônibus. Cá estou novamente para reclamar.

Pego um ônibus hoje para vir ao trabalho, relativamente cheio. Logo localizo um menino com uniforme de escola pública, sem mochila, sem nem um lápis no bolso, sentadinho no banco prioritário para idosos, gestantes e obesos. Nenhum lugar disponível no ônibus, entra uma senhora com dificuldades até pra andar (o motorista ajuda também dando solavancos e arrancadas no ônibus) e o menino lá. Sentadinho. E a senhora em pé.

Eu já discuti uma vez com um idoso dentro de um ônibus que exigia que eu me levantasse pra eu sentar, apesar de eu não estar sentada no banco prioritário e de ter no local destinado ao idoso, pessoas até mais novas que eu. Me desculpem, mas se ele não sabe exigir os direitos dele porque quer exigir que eu me levante?

Sei que nunca vou achar um vereador/deputado que “abrace” minha causa de proibir de estudantes sentarem enquanto tiver pagantes em pé. Os políticos precisam dos votos dos jovens e nenhum deles quer antipatia, né?

Mas continuo achando uma falta de educação um grupo que sempre está lutando por seus direitos, inclusive de passe livre (eu eu apoio incondicionalmente) não terem consciencia de respeitar o direito dos outros.





Embolia Pulmonar

3 02 2010

E eu achando que o que eu tive foi pneumonia!

Depois de muitas dores, idas e vindas a emergência do hospital, fui num especialista e logo descobri o que eu tinha (ou melhor tenho! ainda to tratando): Embolia Pulmonar.

Fiquei 10 dias internada no hospital, incluindo 3 dias no CTI. Mas agora tô bem, inclusive já voltei a trabalhar.

Meu tratamento constitui de um remédio para manter a anticoagulação do sangue diariamente e cuidados para evitar cortes e hematomas.

E eu toda empolgada porque o Carnaval tá aí… hahahahahaha Mas isso é assunto pra outro post!





Pneumonia

7 01 2010

Pois é… Depois de muitas dores, descobri meu probleminha: pneumonia.

Não sei como peguei, quando peguei, mas sei exatamente quando começou. Acordei com dor nas costas. Pronto. Era isso.

Queria deixar registrado o péssimo atendimento do Hospital São Victor. No mesmo dia que senti as dores, fui ao hospital e depois de mais de 2 horas de espera, o médico disse que eu “dei um mau jeito” e receitou um relaxante muscular.

Depois que comecei a ter febre, resolvi ir no TijuTrauma (achava que era mau jeito, né?). Lá fui muito bem atendida e bem rápido. O médico disse que não parecida ser nada “ortopédico” e me deu o dia seguinte para eu procurar outro hospital para pesquisar o motivo da febre.

No dia seguinte, resolvi ir ao Hospital São Vicente de Paulo onde fui maravilhosamente atendida. O médico me examinou (coisa que o do São Victor não fez!), pediu exame de sangue, urina e vários raios-x. Quando tudo ficou pronto, ele analisou todos os resultados, mais ainda não conseguia precisar meu problema, apesar dele já suspeitar. Então pediu uma tomografia, e aí sim, tive a confirmação da minha pneumonia. O médico passou as orientações e os remedinhos.

Como meus amores estavam viajando e eu estava sozinha em casa, resolvi ir pra casa da minha mãe, que estava cheia de amigos médicos do meu irmão (melhor lugar pra doente ficar, né?).

Passei meu reveillon em um estado parecido com de um zumbi.

Hoje, apesar das dores nas costas ainda persistirem (e consequentemente ser meio difícil dormir), eu já estou bem melhor.

Agradeço todos os dias a Deus pela minha saúde, pelo meu maravilhoso marido que além de cuidar de mim com perfeição, me proporciona um plano de saúde bom que cobre todos esses atendimentos, pelo meu pai e minha mãe que cuidaram de mim quando meu marido viajou e pela minha maravilhosa filha que toda hora pergunta se eu tô dodói, se eu quero remédio e dá beijo nas minhas costas pra dor passar.

E vamos se cuidar, que 2010 pode até ter começado com dores pra mim, mas eu tenho planos que tudo vai ser infinitamente melhor.





Médico sem respeito!

19 11 2009

Em outubro agendei uma consulta com um médico dermatologista aqui no Centro do RJ para ver o que eu poderia fazer para melhorar minhas pelancas. Só consegui vaga para um determinado dia de setembro, as 11:40h da manhã.

No dia marcado, entrei numa reunião aqui no trabalho e só consegui chegar ao consultório as 12:00h. Tinha ainda 3 pessoas na sala de espera. A recepcionista foi falar com ele e voltou dizendo que ele não me atenderia porque eu cheguei atrasada. Remarquei a consulta pra o único dia mais próximo disponível, em outubro.

No consultório deu pra perceber que o médico gosta de exibir seus “ilustres” clientes como Edson Celulari e Ana Paula Arósio.

No dia marcado de outubro, a recepcionista me ligou avisando que o médico não iria no consultório naquele dia e remarcou minha consulta pra novembro.

Hoje chegou o grande dia. Consulta marcada para as 12:00h. Meio-dia em ponto eu estava lá. Na sala de espera 8 pessoas. Mas ué? Meu horário não era o último? O que esse povo todo tava fazendo ali?

A recepcionista (a mesma que disse que o médico nao me atenderia na primeira vez) pediu imediatamente o cartão do meu plano e avisou que o médico estava “um pouquinho” atrasado.

Deu 13h. Eu já tinha lido 2 Marie Claire e ainda tinha 2 pessoas na minha frente. Meu alerta “pentelhístico” acionou. Em 1 hora o médico atendeu 6 pessoas (uma média de 10 minutos por paciente!), qual era a chance de eu realmente ser bem atendida? Levantei da cadeira e pedi o estorno da consulta. Não queria mais esperar. A atendente ainda quis me convencer. Mas eu fui mais forte.

_ Há 2 meses eu cheguei 20 minutos atrasada e ele não quis me atender. Eu estou aqui há 1 hora e ele mal atendeu as pessoas. Sinceramente? Já estou tão aborrecida que tenho certeza que serei mal atendida. Não quero mais. Cancela minha consulta.

_ Quer remarcar pra quando?

_ Pra quando esse médico aprender a respeitar o horário e os pacientes.

Peguei o estorno da consulta e fui embora. Com raiva. Perdi todo meu horário de almoço sentada numa sala de espera vendo programa da Record. Nem tive tempo de comer direito.

Não me arrependi de ter ido embora. Minhas pelanquinhas merecem atenção com todo carinho do mundo. E não é com 10 minutos que vou conseguir isso. Se ele não respeita os pacientes vai respeitar minhas pelancas?

Será que o Edson Celulari também espera tanto assim por esse médico?